Participantes

Abelardo da Costa Arantes Júnior (Embaixador do Ministério das Relações Exteriores)
Embaixador do Ministério das Relações Exteriores (MRE); com a experiência acumulada em 35 anos de carreira, que inclui passagens pelas embaixadas de Viena, Varsóvia, Londres, Moscou, Cidade do México e Islamabad. Atualmente é o representante do MRE em Santa Catarina.

Airton Lisle Cerqueira-Leite Seelaender (UFSC)
Graduado pela USP, possui mestrado em Direito (1995) e doutorado em Direito – Johann Wolfgang Goethe-Universität Frankfurt (2001), tendo sido orientado por Michael Stolleis (WGUF/MPI) e E.R. Lewandowski (USP/STF). Foi pesquisador visitante do Max-Planck-Institut für europäische Rechtsgeschichte, Presidente do Instituto Brasileiro de História do Direito (IBHD, 2005-2007) e pesquisador visitante da Faculdade de Direito da Universidade de Münster (2009-2010). É autor de Polizei, Ökonomie und Gesetzgebungslehre (Frankfurt, 2003). Atualmente é Pesquisador do CNPQ, membro do Comitê de Avaliação da CAPES e professor adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina (Direito Constitucional/História do Direito). Foi por mais de 13 anos Procurador do Estado de S.Paulo, tendo atuado em numerosos feitos referentes a questões de direito constitucional, tributário e administrativo. Concentrando-se nas áreas do Direito Constitucional e da História do Direito, pesquisa sobretudo temas relacionados à história do direito público, ao direito à informação e à autodeterminação informativa, ao regime jurídico da mídia e à política urbana.

Alexandre Busko Valim (UFSC)
Possui graduação em História pela Universidade Estadual de Maringá (2001). Em 2003 por indicação da banca de qualificação de Mestrado em História Social Contemporânea da Universidade Federal Fluminense, fez exame com vistas a progressão direta para o doutorado, tendo sido aprovado. Concluiu o doutorado na UFF em 2006. Possui Pós-Doutorado pela School of Journalism and Communication da Carleton University em Ottawa, ON, Canadá. Atuamente é docente do Departamento de História da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, onde leciona no Curso de Graduação de Cinema, no Curso de Graduação de História e no Programa de Pós-Graduação de História. Tem experiência na área de História, com ênfase em História Moderna e Contemporânea, atuando principalmente nos seguintes temas: História do Cinema, Guerra Fria, Propaganda de Guerra, Desenhos Animados e História Social.

Alexandre Morais da Rosa (UFSC)
Doutor em Direito (UFPR), com estágio de pós doutoramento em Direito (Faculdade de Direito de Coimbra e UNISINOS). Mestre em Direito (UFSC). Professor dos Cursos de Graduação e de Pós-Graduação em Direito da UFSC. Juiz de Direito (SC). Membro do Núcleo de Direito e Psicanálise (UFPR). Pesquisa Processo, Desenvolvimento e Constituição, com perspectiva transdiciplinar (economia, psicanálise, sociologia, antropologia e filosofia).

Alexandre Nodari (UFSC)
Graduado em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (2006), mestre (2007) em Literatura pela mesma instituição. Co-editor do jornal de resenhas e verbetes SOPRO (http://www.culturaebarbarie.org/sopro). O eixo temático no qual gravitam suas pesquisas é a relação entre ficção e Direito, narrativa literária e narrativa histórico-político-social. A pesquisa que desenvolveu no mestrado, “a posse contra a propriedade: pedra de toque do Direito Antropofágico”, investigou o sentido da inter-relação entre as esferas jurídica e literária na “teoria do grilo” desenvolvida pelos integrantes da vanguarda antropofágica da primeira metade do século XX, como contraponto à “invenção” nacional, também apregoada pelo movimento. No doutorado, busca identificar, a partir do exemplo (paradigma) das modificações impostas pela censura na montagem de O Rei da Vela (Oswald de Andrade) pelo Teatro Oficina, a relação entre censura, consenso e a esfera do impessoal.

Ana Lúcia Sabadell (UFRJ)
Possui graduação em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1986), graduação em Psicologia pela Universidade São Marcos (1987), mestrado em Critical Criminology and Criminal Justice – Universitat des Saarlandes (1998), mestrado em direito – Universidad Autonoma de Barcelona (1991), doutorado em Direito – Universitat des Saarlandes (1999) e pós- doutorado na Universidade Politécnica de Atenas (Grécia) em 2002. Atualmente é professora titular de teoria do direito e vice-diretora da Faculdade Nacional de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro, membro do Instituto Brasileiro de História do Direito, do Instituto Panamericano de Política Criminal e do Instituto Brasileiro de Justiça Restaurativa. Atua ainda como docente e pesquisadora (sem remuneração) na faculdade de Direito da Universidade Autonoma de Barcelona, no Instituto Max Planck de Direito Penal internacional e Criminologia (Freiburg-Alemanha) e na Rede Acadêmica internacional alemã ARCA-Net (Berlim- Alemanha). Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Teorias feministas do direito, Sociologia Jurídica e História do Direito, versando sua produção sobre os seguintes temas: direitos humanos, direito e gênero, sociologia jurídica e história do direito.

Ana Maria Veiga (UFSC)
É doutoranda em História Cultural na Universidade Federal de Santa Catarina, na linha de pesquisa Relações de Poder e Subjetividades. Atua principalmente com os temas gênero, cinema, feminismo, memória, ditaduras no Cone Sul. É membro do Laboratório de Estudos de Gênero e História da UFSC, com pesquisas voltadas especificamente para Argentina e Brasil.

André Reis da Silva (UFRGS)
Doutor em Ciência Política (2008), Mestre em História (1999), Bacharel (1999) e Licenciado em História (1995) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Possui curso de Especialização em Processos de Integração pela Universidade de Leiden/Holanda (1999). É Professor Adjunto no Curso de Graduação em Relações Internacionais da UFRGS e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política (UFRGS). Pesquisa Relações Internacionais e Política Externa Brasileira, atuando principalmente nos seguintes temas: Brasil Contemporâneo, América Latina, História Contemporânea, Estado e Governo, Diplomacia.

Beatriz Kushnir (Arquivo Central RJ)
Graduada em História pela Universidade Federal Fluminense (1989), Mestrado em História Social pela Universidade Federal Fluminense (1994), Doutorado em História Social do Trabalho pela Universidade Estadual de Campinas (2001), Pós-doutoramento (Júnior) junto ao Cemi/Unicamp (2005), e Pós-doutoramento (Sênior) junto ao Departamento de História/UFF (2007-8). É Professora Convidada do Departamento de História/Unicamp e Professora visitante junto ao Departamento de História/UFF. Atualmente é Diretora-Geral do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, com experiência na área de Gestão Pública. Suas reflexões e pesquisas centram-se na temática da História do Brasil Contemporâneo, com ênfase nos seguintes temas: censura, governos militares, imprensa, imigração, arquivos, investigação sobre os furtos de bens culturais e a salvaguarda do patrimônio histórico.

Bernadete Wrubleski Aued (UFSC)
Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (1972), mestrado em Sociologia Rural pela Universidade Federal da Paraíba (1981) e doutorado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1991). Atualmente é professora associado I, aposentada, da Universidade Federal de Santa Catarina. Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em sociologia das profissões, atuando principalmente nos seguintes temas: desemprego, trajetórias profissionais, de militantes de esquerda e comunistas.

Caio Navarro de Toledo (Unicamp)
Graduado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (1968) e Doutorado em Filosofia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1974). Atualmente é professor colaborador voluntário do Departamento de Ciência Política do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e pesquisador junto ao Centro de Estudos Marxistas (Cemarx), Unicamp. Pesquisador na área das ideologias políticas, em particular do pensamento político brasileiro contemporâneo.

Carlos Fico (UFRJ)
É bacharel em história pela UFRJ (1983), mestre em história pela UFF (1989), doutor em história pela USP (1996), onde também fez um estágio de pós-doutoramento em 2006/2007. É professor associado da UFRJ e pesquisador do CNPq. Dedica-se ao ensino de teoria e metodologia da história e de história do Brasil republicano e desenvolve pesquisas para a história dos seguintes temas: ditadura militar no Brasil e na Argentina, historiografia brasileira, rebeliões populares no Brasil republicano e história política dos Estados Unidos durante a Guerra Fria. Criou o Centro Nacional de Referência Historiográfica na UFOP, juntamente com Ronald Polito, e coordenou o Programa de Pós-graduação em História Social da UFRJ entre 2002 e 2006. Foi “Cientista do Nosso Estado” da FAPERJ entre 2003 e 2006. Recebeu o Prêmio Sergio Buarque de Holanda de Ensaio Social da Biblioteca Nacional em 2008.

Celso Martins (Jornalista)
Jornalista, autor de Os quatro cantos do Sol

Daniel Aarão Reis Filho (UFF)
Possui graduação em História – Universite de Paris VII (1975), mestrado em História – Universite de Paris VII (1976) e doutorado em História Social pela Universidade de São Paulo (1987). É professor titular de História Contemporânea da Universidade Federal Fluminense. Desenvolve atualmente duas linhas de pesquisa: Os intelectuais russos e as modernidades alternativas (séculos XIX e XX) e História das Esquerdas no Brasil. Temas principais de reflexão: Intelectuais, política, revoluções socialistas, esquerdas, ditadura militar.

Derlei de Lucca (Comitê Catarinense Pró-Memória de Mortos e Desaparecidos Políticos)

Elaine Tavares
Jornalista e pesquisadora do IELA.

Enrique Padrós (UFRGS)
Possui graduação em Licenciatura em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS (1983), graduação em Bacharelado em História pela UFRGS (1985), especialização em História da América Latina (1986-UFRGS), mestrado em Ciência Política pela UFRGS (1995) e doutorado em História pela UFRGS (2005). Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, integra os Conselhos Editoriais das revistas História & Luta de Classes, e Tempos Históricos. Tem experiência na área de História, com ênfase em História Contemporânea, atuando principalmente nos seguintes temas: história do tempo presente e ditaduras de segurança nacional.

Flávia Cera
Doutoranda em Literatura.

Flávia Piovesan (PUC-SP)
Procuradora do Estado de São Paulo. Atualmente é Professora Doutora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e Professora Doutora da Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Tem experiência na área de Direito , com ênfase em Direito Público. Autora de inúmeras obras no campo dos direitos humanos.

Francisco Soriano
Diretor do Sindicato dos Petroleiros do Rio de Janeiro. Autor de “A grande partida: anos de chumbo”

Gilberto Bercovici (USP)
Professor Titular de Direito Econômico e Economia Política da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (Departamento de Direito Econômico, Financeiro e Tributário). Graduado em Direito pela Universidade de São Paulo (1996), é Doutor em Direito do Estado pela Universidade de São Paulo (2001) e Livre-Docente em Direito Econômico pela Universidade de São Paulo (2003). Atualmente é Coordenador do Grupo de Pesquisa Direito e Subdesenvolvimento: O Desafio Furtadiano, credenciado junto ao CNPq. A ênfase da sua produção está voltada para as áreas de Direito Econômico, Economia Política, Teoria do Estado, História do Direito Público e Teoria da Constituição, desenvolvendo pesquisas em torno dos temas de Estado e Subdesenvolvimento, Desenvolvimento Econômico, Papel do Estado na Economia, Política Econômica e Soberania.

Jeanine Nicolazzi Philippi (UFSC)
Possui doutorado em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atualmente é professor adjunto III da Universidade Federal de Santa Catarina. É pesquisadora do Núcleo de Pesquisa em Direito e Psicanálise da Universidade Federal do Paraná. Tem experiência na área do Direito com ênfase na Filosofia do Direito, Teoria do Direito e Direito e Psicanálise. É tutora do Programa de Educação Tutorial em Direito da Universidade Federal de Santa Catarina.

João Luiz Duboc Pinaud (Advogado – Instituto dos Advogados Brasileiros)
Advogado, teve seu cargo de Juiz cassado durante o regime militar.

Joana Vieira Borges (UFSC)
Possui graduação (UFSC, 2004) e mestrado (UFSC, 2007) em História. Atualmente é doutoranda do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Santa Catarina, e participa do Instituto de Estudos de Gênero (IEG) e do Laboratório de Estudos de Gênero e História (LEGH), ambos sediados na UFSC. Tem experiência na área de pesquisa em História, atuando principalmente nos seguintes temas: movimento feminista e história da leitura.

Lédio Rosa de Andrade (UFSC)
Possui graduação e especialização em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (1981); graduação em Psicologia e especialização em economia, pela Universidade do Sul de Santa Catarina (1999); mestrado em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (1992); doutorado em Filosofía Jurídica, Moral y Política, pós-doutorado em Direito e doutorando em Psicanálise, todos pela Universidad de Barcelona (1995 e 2006). Atualmente é Desembargador no Tribunal de Justiça de Santa Catarina e Coordendor do Curso de Graduação em Direito, do Complexo de Ensino Superior Anita Garibaldi, CESAG, São José. Tem experiência nas áreas dePsicologia, Psicanálise e Direito, com ênfase em Direito Alternativo, atuando principalmente nos seguintes temas: direito, direito alternativo, filosofia, poder judiciário, psicologia jurídica, psicanálise e sociologia.

Luis Carlos Cancellier de Olivo (UFSC)
Possui graduação em Direito (1998), mestrado em Direito (2001) e doutorado em Direito(2003), todos pela Universidade Federal de Santa Catarina. É especialista em Gestão Universitária(UFSC, 2000) e Direito Tributário (CESUSC, 2002).É professor DE Adjunto III da UFSC. Ministra as disciplinas de Direito Administrativo II no curso de graduação e Seminário de Direito e Literatura na pós-graduação em Direito da UFSC. É professor de Direito Administrativo e Instituiçoes de Direito Público da Universidade Aberta do Brasil(UAB), desde 2006. É professor de Direito Público e Administrativo no Programa de Pós-Graduaçao em Administração Universitária da UFSC. Atualmente é chefe de Departamento do Curso de Direito, membro do Conselho Editorial da EdUSC e representante docente no Conselho Universitário da UFSC. Presidiu a Fundação José Arthur Boiteux no período 2009-2010(www.funjab.ufsc.br).

Marcelo Ridenti (UNICAMP)
É graduado em Ciências Sociais (1982) e em Direito (1983) na Universidade de São Paulo, onde se doutorou em Sociologia (1989). Defendeu tese de livre-docência na Universidade Estadual de Campinas (1999), na qual é Professor Titular de Sociologia desde 2005. Ingressou na UNICAMP em 1998, foi docente da Universidade Estadual Paulista (UNESP), campus de Araraquara (1990-1998), e da Universidade Estadual de Londrina (1983-1990). Atualmente, integra a Coordenação de Ciências Humanas e Sociais na Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Foi Secretário Executivo da Associação Nacional de Pós- Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (ANPOCS, 2004-2008). Autor dos livros: Em busca do povo brasileiro: artistas da revolução, do CPC à era da tv (Record, 2000), O fantasma da revolução brasileira (Ed. UNESP, 1993), Classes sociais e representação (Cortez, 1994), Professores e ativistas da esfera pública (Cortez, 1995), Política pra quê? (Atual, 1992), além de inúmeros artigos e capítulos de livros. Organizador de obras como A Constituição de 1988 na vida brasileira (Hucitec, 2008), em parceria com Ruben G. Oliven e Gildo M. Brandão; História do Marxismo no Brasil, vol. 6 – Partidos e movimentos após os anos 1960 (Ed. UNICAMP, 2007), com Daniel Aarão Reis; O golpe e a ditadura militar, 40 anos depois, 1964-2004 (EDUSC, 2004), com Daniel A. Reis e Rodrigo Patto Sá Motta; Intelectuais: sociedade e política (Cortez, 2003), com Elide Rugai Bastos e Denis Rolland. Com os mesmos autores, organizou: Intelectuais e Estado (Ed. UFMG, 2006). Também publicou livros e artigos no exterior.

Mariana Joffily (UDESC)
Graduação em História Social pela Universidade de São Paulo (1995), mestrado pela Université de Paris IV – Sorbonne (2001), doutorado (2008) em História Social pela Universidade de São Paulo e pós-doutorado em História da América pela Universidade Federal de Santa Catarina (2009). Tem experiência em pesquisa na área de História, com ênfase em História da América Contemporânea, História Contemporânea e História do Brasil República. Pesquisa principalmente os seguintes temas: ditadura militar, repressão política, ditaduras no Cone Sul, transição democrática, gênero e violência política.

Marize Lippel

Mateus Gamba Torres (UDESC/UFRGS)
Bacharel em direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).Bacharel e Licenciado em História pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Possui curso de formação realizado pela Escola da Magistratura do Estado de Santa Catarina (ESMESC). Mestre em História do Tempo Presente pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Doutorando em História na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Desenvolve pesquisas referentes a História do Brasil, principalmente na abordagem da ditadura militar brasileira (1964-1985), trabalhando com uma história do judiciário militar no período, utilizando como fontes principal processos judiciais militares. Possui experiência em direito constitucional com ênfase em legislação eleitoral (tema: fidelidade partidária) e experiência em direito administrativo e cível, como advogado da Celesc Distribuição S/A.

Modesto da Silveira (Advogado – Grupo Tortura Nunca Mais)
Ao se formar em Direito, quase à época do golpe de 64, dedica-se à defesa dos presos e perseguidos políticos. Heleno Fragoso, um dos maiores juristas brasileiros, ao escrever sobre essa advocacia especial, relata que “Modesto da Silveira foi o advogado que mais defendeu perseguidos da ditadura” . Modesto centrou sua vida na defesa dos direitos humanos. Perseguido por causa da sua atuação corajosa, ele e suas filhas menores sofreram todo tipo de ameaça. Foi então seqüestrado por agentes do DOI-CODI da Rua Barão de Mesquita. Esse seqüestro antecedeu aos dos criminalistas Heleno Fragoso, George Tavares e Augusto Sussekind, e sucedeu ao de Vivaldo Vasconcelos, Antônio Evaristo de Moraes e Sobral Pinto, todos maltratados pela ousadia de denunciar a tortura e defender perseguidos políticos. Modesto da Silveira lutou pelo Estado de Direito quando, sob o manto do mais feroz terror policial, a população sofria detenções ilegais, tortura, assassinatos e desaparecimento de pessoas, a odiosa prática institucionalizada com a finalidade de exterminar a oposição política. Nos tribunais, foi precursor da pregação da anistia ampla, geral e irrestrita aos perseguidos políticos. Já no declínio da ditadura, foi o candidato da esquerda mais votado para Deputado Federal do Rio de Janeiro. No Parlamento, ampliou sua luta pelos direitos humanos. Ao ler seus livros, observamos que Modesto se dedicou, com a mesma perseverança, à defesa dos lavradores sem-terra, trabalhadores urbanos, populações da floresta, minorias discriminadas e aos grandes temas de interesse nacional.

Murilo Duarte Costa Corrêa (FESP-PR/Unicuritiba)
Mestre em Filosofia e Teoria do Direito pelo Curso de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal de Santa Catarina (CPGD/UFSC/2009). Graduado em Direito pela Universidade Federal do Paraná (UFPR/2007), com habilitação em Direito das Relações Sociais e em Direito do Estado. Tem experiência na área do Direito como Professor Universitário e Advogado. Atualmente, é Professor Titular de Filosofia do Direito, vinculado ao Departamento de Propedêutica do Direito da Faculdade de Direito de Curitiba (DPD/FD/UNICURITIBA). Professor Adjunto da Faculdade de Direito do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas da Fundação de Estudos Sociais do Paraná (FD/CCSA/FESP-PR). Desenvolve pesquisas na área de Filosofia e Teoria do Direito.

Nildo Ouriques (UFSC)
Professor do Departamento de Economia da Universidade Federal de Santa Catarina. Presidiu o Instituto de Estudos Latinoamericanos (IELA) até 2009. Possui doutorado em Doutorado em Economia pela UNIVERSIDADE NACIONAL AUTONOMA DO MÉXICO – UNAM (1995). É professor do Programa de Doutorado em Teoria do Desenvolvimento da Benemérita Universidade Autônoma de Puebla (BUAP). Em 2010 gozou licenca-capacitacao na Divisao de Pesquisa do Banco Central da Venezuela. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Economia, atuando principalmente nos seguintes temas: américa latina, dependência, superexploração, subdesenvolvimento e exploração e, nos últimos anos, na relação entre nacionalismo e marxismo na América Latina.

Pádua Fernandes (Uninove/IDEJUST)
Possui graduação em Direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1992) , mestrado em Direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1996) e doutorado em Direito pela Universidade de São Paulo (2005) . Atualmente é Professor do ensino superior da Universidade Nove de Julho, Membro de corpo editorial da Prisma Jurídico e Revisor de periódico da Sequência (UFSC). Tem experiência na área de Direito , com ênfase em Direito Público. Atuando principalmente nos seguintes temas: Direitos Humanos, Direito Internacional, Cultura jurídica, Teoria Geral do Direito.

Paulo Abrão Pires Júnior (Comissão de Anistia/Ministério da Justiça)
Doutor em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2009). É professor de Direito da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Possui experiência em gestão acadêmica tendo exercido funções administrativas em IES, sendo a última como coordenador do Departamento de Direito Público da PUCRS. Foi coordenador da Assessoria Jurídica da Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre (2004). Tem experiência em Direitos Humanos, Justiça de Transição, Ensino Jurídico e Direito Tributário. É consultor do INEP/MEC e da SESU/MEC. Foi consultor do PNUD/ONU em pesquisa sobre Financiamento da Educação no Brasil (2003-2004). É Vice-presidente da ABEDi – Associação Brasileira do Ensino do Direito (2007-2010). Integra a Missão Brasileira de Implementação da Universidade do Cabo Verde – África – pelo Itamaraty/MEC (2006) e a Missão Brasileira sobre a Lei de Anistia junto à Comissão Interamericana de Direitos Humanos na OEA – Organização dos Estados Americanos em Washington (2008). Integra o Tribunal para a Justiça Restaurativa em El Salvador (2009). É membro Consultivo do Centro de Referência Memórias Reveladas do Arquivo Público da Casa Civil da Presidencia da República. Membro do Conselho de Orientação Cultural do Memorial da Resistência de São Paulo. Membro do Grupo de Trabalho da Presidência da República para a elaboração do projeto de lei para a criação da Comissão Nacional da Verdade. Coordenador Geral da Comissão de Implantação do Memorial da Anistia Política no Brasil. Preside a Comissão de Anistia do Ministério da Justiça

Paulo Ribeiro da Cunha (UNESP)
Concluiu a graduação em Ciências Sociais na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1989), é Mestre em Ciências Sociais pela mesmo instituição, com concentração na área de Ciência Política e Doutor em Ciências Sociais pela Unicamp – Universidade Estadual de Campinas (2001). Atualmente é Professor Assistente Doutor da FFC/Unesp – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (campus de Marília) e também nesta instituição, Professor do Programa de Pós Graduação em Ciências Sociais, com concentração nas seguintes áreas de investigação: Militares e a Sociedade; Movimentos Sociais no Campo e Questão Agrária. Na Ciência Política atua com ênfase em Teoria Política e Pensamento Social Brasileiro, sendo coordenador na Unesp de Marília do Grupo de Estudos: Militares e a Esquerda no Brasil. Membro e colaborador dos seguintes Institutos e Núcleos de Pesquisa: Instituto Astrojildo Pereira (IAP); Núcleo de Estudos Estratégicos (NEE) da UNICAMP/Campinas; Núcleo de Estudos de Ideologias e Lutas da Sociais (NEILS) da PUC/SP; Laboratório de Estudos sobre Militares e a Política (LEMP) da UFRJ/RJ; Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED); Grupo de Pesquisa Cultura e Política no Mundo do Trabalho da UNESP/Marília; Grupo de Pesquisa Discurso, Representações e Práticas Sociais da Universidade Salgado de Oliveira – UNIVERSO; Brazilian Studies Association (BRASA). É autor e organizador de vários livros, bem como participa do Conselho Editorial de diversas revistas.

Raúl Antelo (UFSC)
Graduado em Letras Modernas pela Universidad de Buenos Aires (1974) e em Língua Portuguesa pelo Instituto Superior del Profesorado en Lenguas Vivas (1972), mestrado em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo (1978) e doutorado em Literatura Brasileira pela mesma Universidade (1981). Atualmente é professor titular da Universidade Federal de Santa Catarina. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Teoria Literária, atuando principalmente nos seguintes temas: modernismo e modernidade, poesia e crítica cultural contemporânea

Reinaldo Lohn (UDESC)
Possui graduação em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (1993), mestrado em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (1997) e doutorado em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2002). Atualmente é professor efetivo da Universidade do Estado de Santa Catarina. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil República, atuando principalmente nos seguintes temas: memória, cidade, modernização, cultura política e representações sociais.

Reinaldo Pereira e Silva (UFSC)
É Doutor em Direito do Estado (2001) e Mestre em Instituições Político-jurídicas (1996) pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atualmente é Professor Associado de Direito Constitucional na Universidade Federal de Santa Catarina, atuando principalmente nos seguintes temas: direitos fundamentais, processo constitucional, direitos humanos e bioética.

Rosângela Koerich (Advogada)

Salim Miguel (Escritor)
Escritor. Salim Miguel é autor de mais de 30 livros. Reconhecido como um dos mais destacados ficcionistas, é também contista, cronista e ensaísta. E entre os seus romances, destacam-se: Nur na Escuridão e A Voz Submersa. Salim Miguel recebeu entre outros o Troféu Juca Pato, como intelectual do Ano de 2002 e o Prêmio Zaffary-Bourbon, para melhor romance publicado entre 1999-2001. Nascido no Líbano em 1924, o vencedor do Prêmio Machado de Assis chegou ao Brasil ainda criança. Depois de viver sua adolescência no município catarinense de Biguaçu, mudou-se para Florianópolis onde, nas décadas de 1940 e 50, integrou o movimento modernista nas artes catarinenses: o Grupo Sul. Junto com sua esposa, a também escritora Eglê Malheiros, escreveu o roteiro do primeiro longa-metragem catarinense, O Preço da Ilusão. Em 1965, depois de ser preso pelo Regime Militar, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde editou a revista Ficção e trabalhou para a Editora Bloch.

Sérgio Cademartori (UFSC)
Possui graduação em Direito pela Universidade Federal de Santa Maria (1976), mestrado em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (1990) e doutorado em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (1997). Atualmente é professor do doutorado da Universidade de Granada e professor associado da Universidade Federal de Santa Catarina. Tem experiência na área de Filosofia e direito administrativo, com ênfase em Epistemologia, atuando principalmente nos seguintes temas: direitos fundamentais, democracia, garantismo, constituição e devido proceso legal, processo administrativo e controle judicial da administração.É membro do IDASC – Instituto de Direito Administrativo de Santa Catarina.

Valmir Martins (UFSC)
Professor aposentado do Departamento de História da Universidade Federal de Santa Catarina.

Vanderlei Machado (UFRGS)
Graduado em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (1994), mestre em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (1999) e doutor em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2007). Professor do Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atua na área de História, com ênfase em História do Brasil, principalmente, nos seguintes temas: formação de professores, a construção cultural das masculinidades, gênero e livros didáticos e história das mulheres.

Vladimir Safatle (USP)
Possui graduação em filosofia pela Universidade de São Paulo (1994), graduação em Comunicação social pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (1994), mestrado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (1997) e doutorado em Lieux et transformations de la philosophie – Université de Paris VIII (2002). Atualmente é Professor Livre Docente do departamento de filosofia da Universidade de São Paulo. Foi professor visitante das Universidades de Paris VII , Paris VIII, Toulouse e Louvain, além de responsável de seminário no Collège International de Philosophie (Paris). Desenvolve pesquisas nas áreas de: epistemologia da psicanálise e da psicologia, desdobramentos da tradição dialética hegeliana na filosofia do século XX e filosofia da música. É um dos coordenadores da International Society of Psychoanalysis and Philosophy.

Waldir Rampinelli (UFSC)
Possui graduação em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (1971), graduação em Filosofia pela Universidade Federal do Paraná (1973), graduação em Direito pela Universidade do Vale do Itajaí (1983), mestrado em Estudos Latino-americanos – História – pela Universidade Nacional Autônoma de México (1991) e doutorado em Ciências Sociais-Política pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2002). Professor no Departamento de História e no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Santa Catarina. Coordenador da Coleção Relações Internacionais e Estado Nacional (RIEN), publicada pela Editora da UFSC. Tem experiência na área de História e Ciência Política, com ênfase em História Contemporânea da América Latina, atuando principalmente nos seguintes temas: Brasil e suas relações externas com os países da América Latina; História do México e a Revolução Mexicana; Brasil e suas relações com Portugal (Colonialismo e Revolução dos Cravos).

Imagem: Memorial da América Latina – SP.